Opinião

Viver a aldeia – Boa onda!!! (Opinião)

Graça Costa. “A aldeia e o festival fundem-se num só corpo. Cem Soldos é os Bons Sons e os Bons Sons são Cem Soldos.”

Portugal, sol e festivais – trilogia quase obrigatória no verão português de há uns anos a esta parte, e um fenómeno com tudo para crescer e se consolidar no nosso país.

Efectivamente, este pequeno rectângulo na ponta mais ocidental da europa, bafejado com um clima invejável, com sol em dois terços do ano e um povo amistoso, que sabe receber como poucos, pode não ser uma potência económica, mas é com toda a certeza uma referência no panorama europeu dos chamados festivais de verão, sendo que alguns deles já fazem parte do roteiro de férias de muitos portugueses e estrangeiros.

Do jazz ao soul, da música popular à mais erudita, da música portuguesa às denominadas músicas do mundo, o nosso país de tudo para todos os gostos e o verão português, do litoral ao interior, enche-se, todos os anos, literalmente de música, cor, luz alegria e de eventos culturais diversos, com qualidade e diversidade capaz de responder aos desejos mais exigentes.

Uns mais comerciais e quase “profissionais”, outros mais “caseiros” e/ ou minimalistas, a verdade é que vários se têm afirmado pela qualidade e pela excelência do que oferecem, tendo “clientes fieis” que aumentam de ano para ano. Todos começaram pequeninos e quase a medo, mas todos cheios de vontade de se afirmar pela diferenciação e alguns conseguiram-no apesar da disparidade enorme nos apoios institucionais que conseguiram angariar. Mais do que isso, uns consolidaram-se pela via comercial e outros pelo envolvimento comunitário.

O povo português tem uma enorme tendência para valorizar o que vem de fora e carregar o pesado fado da menoridade como se tal fosse uma inevitabilidade, mas nesta vertente turístico-cultural, temos todos os motivos para nos orgulharmos.

Em Tomar, a aventura começou em 2006, na pequena aldeia de Cem Soldos, quando um punhado de homens e mulheres ousou sonhar, lançar a semente na comunidade e meter as mãos à obra. Comemorava-se o 25º aniversário da associação local, SCOCS, e algo de grande começava a germinar naquela associação que já marcava a diferença no concelho de Tomar, pela oferta cultural que mantinha viva e florescente ao longo de todo o ano.

Tendo como marca diferenciadora o conceito – “Viver a Aldeia”, os Bons Sons, começaram por ser um evento bienal, e um tributo à língua portuguesa.

Logo a partir da primeira edição, deu nas vistas, foi-se afirmado, cresceu, consolidou-se, ganhou corpo e fama, ganhou prémios nacionais e internacionais e hoje, ostentando orgulhosamente mas com enorme sentido de responsabilidade o título de  Melhor Festival de Tamanho Médio e Melhor Contribuição para a Sustentabilidade, premio atribuído pela Iberian Festival Awards (Prémios dos Festivais Ibéricos), evento promovido pela Associação Portuguesa de Festivais de Música para distinguir os melhores festivais que se realizam em Portugal e Espanha, é, com toda a certeza o melhor cartão de visita do verão tomarense, trazendo ao nosso concelho milhares de forasteiros.

Este ano, o primeiro da aposta anual e quando se comemoram os 10 anos sobre a primeira edição dos Bons Sons, podemos dizer com orgulho, que “cresceu” bem, ganhou maturidade mas não perdeu a identidade e se nos primórdios o “ Viver a Aldeia “ foi o mote diferenciador para se afirmar, hoje é a marca distintiva que lhe confere uma alma e uma magia tão próprias, que quem vem, volta e quando volta, não volta sozinho.

A aldeia e o festival fundem-se num só corpo. Cem Soldos é os Bons Sons e os Bons Sons são Cem Soldos. Todos os habitantes da aldeia são festivaleiros de corpo e alma, independentemente da idade ou estatuto social. Durante o festival, todos, sem excepção abrem as portas e o coração a um evento que enobrece a língua portuguesa e aquilo pelo qual o nosso povo tem pergaminhos consolidados aqui e além fronteiras – a hospitalidade.

Durante aqueles quatro dias, este ano, de 12 a 15 de Agosto, todos os caminhos vão dar a Cem Soldos e muitos são os que, por esta altura já organizam, mochilas, tendas e amigos para , mais uma vez “viverem a Aldeia” porque sabem que a eles, a Aldeia se oferece com generosidade e autenticidade.

Este ano, que marca o 10º aniversário do evento, o cartaz é de excelência e o programa, no seu todo, e de uma enorme atractividade para gente de todas as idades.

Cem Soldos e os Bons Sons são um caso sério de sucesso e um interessantíssimo objecto de estudo, não só pelo prestígio que foi granjeando ao longo das edições anteriores, mas sobretudo pela forma como conseguiu envolver toda uma comunidade em torno de um evento, sem alienar nem “vender” a sua identidade. Naqueles dias de agosto a pequena aldeia de Cem Soldos e os seus pouco mais de mil habitantes, transformam-se, proporcionando a quem os procura, uma sensação única.

Muito mais que um festival de verão, os Bons Sons são um exercício de cidadania , quer para os Cem Soldenses, quer para os participantes. Creio mesmo que essa é a grande mais valia deste evento singular que atrai em cada edição, mais e mais participantes – o sentimento de pertença que se vai ganhando ao longo do festival e que começa logo com o acolhimento, com a chegada à aldeia; que cresce com o afecto e o carinho daquela gente que te recebe como se fosses um deles e te proporciona uma experiência única a cada concerto, a cada evento dentro do evento, a cada refeição que se partilha, a cada recanto que se descobre.

Para além da inequívoca qualidade artística e cultural deste festival, a experiência dos Bons Sons é sobretudo marcada pela partilha de afectos, por uma imensa alma e um grande coração; é uma marca distintiva de solidariedade e envolvimento comunitário que merece aplauso e reconhecimento.

Os Bons Sons são uma lufada de ar fresco no nosso Concelho; uma lição de dinamismo e não resignação perante as adversidades decorrentes da ruralidade e sobretudo um novo paradigma de comunidade que admiro profundamente e com o qual me identifico.

Viver a Aldeia é muito mais do que um festival de verão. É uma experiência de vida e para a vida.

Portugal tem efectivamente uma enorme oferta de festivais de verão, mas os Bons Sons, nesta pequena mas enorme aldeia de Cem Soldos, bem no coração do país, tem qualquer coisa de mágico, e é essa magia que nos faz voltar a cada edição e contar os dias, mal agosto começa.

Viver a Aldeia é bom, e faz bem. Fica o testemunho, o agradecimento e o convite, porque dia 12 é já ali.

Graça Costa
Socióloga

Graça Costa
Graça Costa
Socióloga. Colunista da Tomar TV.
http://tomartv.com

2 thoughts on “Viver a aldeia – Boa onda!!! (Opinião)

  1. Bela reportagem e convite à apresentação da cultura local. A divulgação do que é nosso mantém as tradições vivas e desenvolve o amor à Pátria.

    Parabéns pelo artigo.

  2. Bom artigo, cujo mote central releva a comunhão e envolvência da gente de Cem Soldos, bem como a tese de que para que se façam coisas boas é importante, além de boas ideias, a união e o querer.
    Mário Reis

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *