Sociedade

Lista das vítimas de Pedrógão Grande já tem 65 nomes. Serão mais?

Número oficial é 64, mas Governo exclui vítimas indiretas do fogo. Lista completa já tem 65 nomes. Tomar TV investiga mais dois.

A lista oficial de vítimas em Pedrógão Grande tem 64 mortos. Mas existe pelo menos mais um nome que foi excluído dessa contagem por não ter sido uma vítima direta do fogo. Trata-se de Alzira Costa, uma viúva de 71 anos que morreu atropelada em Vila Facaia por um carro que fugia do incêndio. A notícia foi avançada pelo Expresso e confirmada pela Tomar TV, o que eleva para 65 o número de pessoas que morreram nos concelhos de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera entre 17 e 22 de junho.

A investigação levanta suspeitas de que existirão mais vítimas por contabilizar, mas o Governo não revela a lista dos nomes, alegando “segredo de Justiça”. A Proteção Civil já reagiu, indicando que considera vítimas do fogo as “mortes por inalação e queimaduras” provocadas pelas chamas, uma informação que não tinha sido explicada ao público até agora. A autoridade insiste assim na tese das 64 mortes, havendo no entanto 65 nomes apurados caso se considere também as vítimas indiretas, como é o caso de Alzira Costa, que morreu atropelada.

Tomar TV já investigava a lista

Com menos recursos do que o semanário Expresso, há duas semanas que a Tomar TV investigava a lista oficial das vítimas desta tragédia. Já tinha sido possível chegar aos 64 nomes, cruzando informações de seis órgãos de comunicação social portugueses e juntando outras fornecidas por habitantes locais (Alzira Costa fazia parte dessa contagem e a confirmação pelo Expresso de um 65º nome elevou assim a lista para um número superior ao avançado pelo Governo desde o início).

Dos nomes confirmados pelo jornal, um constava na lista da Tomar TV como “não confirmado” — Sérgio Duarte, com 32 anos, filho de um funcionário da Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos, que não fazia parte da nossa contagem por não estar confirmado — e outro não surgia de todo: o de Américo Rodrigues, cuja morte foi agora confirmada, mas sem qualquer detalhe da causa ou do local do falecimento. Sem confirmação, não houve notícia.

No entanto, nas condições de “não confirmado” na lista da Tomar TV estão mais duas entradas. Num dos casos, há um nome. Um nome avançado por um habitante local, mas que a Tomar TV ainda não conseguiu confirmar ou desmentir junto dos organismos oficiais: o de João Manuel Fernandes. Contactada pela Tomar TV, uma agência funerária local fechou-se em copas, confirmando apenas ter realizado “algumas cerimónias fúnebres” de vítimas do fogo, sem revelar o número.

A outra entrada, que resulta do cruzamento de informações avançadas pela Sábado e pelo Jornal de Notícias, tem apenas um grau de parentesco: tratar-se-à do filho de Luísa Rosa, marido de Sara Antunes, também ela uma vítima do fogoCom o casal terá também morrido Luísa Rosa, mãe dessa vítima ainda não identificada, e Vasco Rosa, marido de Luísa. A lista sobre a qual a Tomar TV está a trabalhar tem, por isso, 67 entradas no momento — duas ainda não confirmadas.

Rumores não são de agora

No terreno, há semanas que populares falam de “mais uma centena de mortos”. Porém, face às informações apuradas pela Tomar TV, é pouco provável que o número seja muito superior aos 65 até agora confirmados. Admite-se ainda assim que possam existir mais vítimas indiretas do fogo, que não estão a contar para as estatísticas oficiais.

Na base dos rumores estarão outras listas de mortos elaboradas por populares no terreno, às quais a Tomar TV também teve acesso e onde acabou por encontrar diversas repetições. Por exemplo, os nomes de Anabela Quevedo e Anabela Esteves viriam a revelar-se serem a mesma pessoa: Anabela Lourenço Quevedo Esteves, de 47 anos, que morreu queimada com a vizinha Anabela Araújo na estrada nacional 236-1, o troço que liga Figueiró dos Vinhos a Castanheira de Pera.

Outro caso foi o de Fernanda Carvalho e Maria de Fátima Sousa, que a Tomar TV confirmou ser Maria de Fátima Sousa Carvalho, de 57 anos, da localidade de Pobrais e que morreu na nacional 236-1.

A maioria das vítimas morreram na estrada nacional 236-1. Fotografias por: ORLANDO OLIVEIRA/TOMAR TV

Ou seja, a incerteza perante o número real de vítimas não vem de agora. Os rumores de que seriam mais pessoas começaram a ecoar na região de Pedrógão Grande logo nas semanas a seguir ao incêndio. Mas isso não passou despercebido aos jornalistas. Face à incerteza perante o número real de vítimas, foi enviado um conjunto de questões muito concretas ao ministério da Administração Interna ainda em junho.

A 21 de junho, foi perguntado ao ministério qual o número oficial de vítimas contabilizadas na sequência do incêndio, quantas morreram na nacional 236-1, quantos feridos estavam contabilizados, qual a percentagem de área ardida e se o número de vítimas estava estabilizado ou se se admitia a possibilidade de um “aumento significativo”. As perguntas foram enviadas e foi feita nova tentativa de contacto a 23 de junho. Todas estas questões ficaram sem resposta até hoje.

Lista das vítimas

A Tomar TV publica a lista das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande, segundo informações cruzadas de vários órgãos de comunicação social, de habitantes locais e da lista revelada pelo Expresso este sábado. O documento inclui os nomes, idades, parentescos, profissões, localidades de habitação e de óbito e outras notas. Informações adicionais poderão ser remetidas para o endereço geral@tomartv.com. Duas das entradas, indicadas a amarelo, ainda não estão confirmadas.

Flávio Nunes
Flávio Nunes
Jornalista, diretor-geral e co-fundador da Tomar TV.
http://tomartv.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *